quinta-feira, 23 de agosto de 2012

LABORTERÁPICA: FIM DE MAIS UM CAPÍTULO EM SANTO AMARO/SP

Santo Amaro: De reduto industrial a imobiliário

A Laborterápica nasceu em 17 de setembro de 1937, à Rua Pires da Mota, 242, com o nome Laboratório Sânitas, e depois na mesma rua número 979, com a razão social Laborterápica Ltda.
A Laborterápica tornou-se uma sociedade anônima nacional, iniciada com capital de Cr$ 25.000.000,00, divididas em 50 mil ações, com direção e administração de brasileiros.  Seus laboratórios foram instalados a partir de 1947, em terreno de 54 mil m2 e com área construída de 13 mil m2, com endereço definido à Rua Carlos Gomes, 924, em Santo Amaro.
Nestas instalações funcionava toda a infraestrutura de uma grande empresa do setor como pesquisas cientificas de química e biológica que dariam suporte ao ramo médico, além de manter todo o suporte inerente ao bom desenvolvimento dessas atividades como oficinas de mecânica e carpintaria, caldeiras, biblioteca, creche, restaurante, recreação, ambulatório, restaurante escritório administrativos, enfim tudo quanto se requer para um desempenho eficaz de uma grande empresa mantendo departamentos científicos, industriais e comerciais afinados em desempenho de produção eficiente, mantendo em suas fileiras um milhar de funcionários integrados, produzindo mensalmente 350 mil preparados farmacêuticos.

Foi pioneira dos laboratórios nacionais na industrialização da insulina a partir de 1946, com tecnologia nacional, e na fabricação de vitaminas para complementação alimentar. Ainda produziu agentes importantes para o combate a tuberculose. Todo controle possuía rigorosa inspeção de qualidade na fabricação de comprimidos, drágeas e compostos líquidos.

 
Recolhia somas vultosas aos cofres dos poderes públicos de todas as esferas (em 1949 recolheu quase Cr $ 6 milhões em impostos, quase ¼ de seu capital inicial!) tendo ainda que investiu Cr$ 2.300.000,00 na construção do edifício de Serviço Social.

O pioneirismo de homens como o professor livre-docente da Faculdade de Medicina da USP, Dutra de Oliveira, aliado a Domingos Pires de Oliveira Dias, José Pires de Oliveira, Triestino Perri, completado pelo staff do mais elevado gabarito profissional unicamente votado para a alta eficiência e qualidade dos produtos fabricados.

Mantinham-se harmonicamente todos os setores através de sua Associação dos Funcionários da Laborterápica–Bristol, razão social da empresa a partir de 1957, de utilidade pública desde 1962 e instalada em Santo Amaro. Isto tudo promovia a salutar convivência entre todos que ainda forneciam toda a sua alegria nas memoráveis festas que eram promovidas pelo Centro Paulista Comércio e Indústria de Desportos, CPCID, em entregas de prêmios dos vencedores de determinada temporada..

Muitos funcionários vestiram a camisa Laborterápica literalmente, se tornaram veteranos renomados e famílias santamarenses inteiras passaram nas fileiras com Klein, Sucker, Pinto, Freitas, Bertoluzzi, Castro, Pereira, Araújo, Dias, Afonso, Deseusi, Oliveira, Silva, Citrângulo, Brechet, Gerardini, Rodrigues e tantos outros inestimáveis colaboradores pelo o resplendor do “labor” em Santo Amaro.

A partir de 1980 a empresa recebeu nova razão social e passou a ser denominada Laborterápica Bristol Química e Farmacêutica ltda. Com a crise no setor farmacêutico da década de 1990 a empresa investiu pesado também no setor de perfumaria, condicionadores, desodorantes e de complemento nutricionais como Sustagen, que detinha o mercado através da Mead Johnson da Bristol com suporte da matriz Bristol Mayers Company.
 
Em 1998 recebe o laureado e concorrido prêmio da melhor e maior empresa do setor farmacêutico já com nova denominação Bristol-Myers Squibb, está última empresa também deteve parte do mercado farmacêutico e foi grande no setor. Estava localizada na Avenida João Dias, mas hoje também não faz mais parte do cenário industrial de Santo Amaro.

A Bristol-Myers Squibb (ABS)  encerrou suas atividades locais em 2010 e decidiu vender o terreno de sua antiga fábrica, por cerca de R$ 60 milhões para uma construtora, que erguerá no local condomínios de prédios residenciais. A área da antiga empresa está sobre processo de investigação por contaminação da área da fábrica e em fase de remediação após submissão e aprovação por parte da Cetesb. A BMS está trabalhando em conjunto com a Cetesb para agilizar o processo de aprovação com o  compromisso de proteger a saúde e a segurança da população em geral, e o meio ambiente de forma responsável e sustentável, empenhando-se neste projeto até sua finalização.

Último Lampejo: FIM
 

Referências:


Toma, Henrique E.; Ferreira, Ana Maria da Costa;  Serra, Osvaldo A. Desenvolvimento da Química Inorgânica no Brasil. Quím. Nova vol.25  supl.1 São Paulo, Maio 2002. (disponibilizado na Internet)

Martins, Hermínio. Ciência medicina e guerra: Revista do Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens (CECL) da Universidade Nova de Lisboa

Gazeta de Santo Amaro. Matéria de 19 de setembro de 1982: Nove Lustros de Pioneirismo na Indústria Farmacêutica

A Tribuna nº 1344: 14 de julho de 1962      

Elo (Informativo Laborterápica): janeiro-fevereiro de 1966

Valor Econômico 31/05/2012

1 comentário:

meire disse...

Apenas hoje por curiosidade coloquei na busca e li sobre a Laborterapica Bristol, e chorei, em seus escritorios passei quase 11 anos de minha vida e adorava la trabalhar, e hoje soube que o que resta são apenas lembranças e fotos nossa tiradas durante este tempo.
que pena que acabou, porem tudo tem que acabar um dia. Ainda bem que tenho lembraças muito queridas.